laercio-benkoO vereador Laércio Benko (PHS) usou o plenário da Câmara Municipal de São Paulo no dia 9 de agosto, por volta das 15h30, para defender o uso de animais em rituais umbandistas e do candomblé.
Ele criticou a proposta do deputado estadual Feliciano Filho (PEN), apresentada na Assembleia Legislativa no ano passado, que proíbe o sacrifício de animais em todo o Estado.

Laércio Benko argumentou que não existe sacrifício, e sim a ‘imolação’ dos animais “em religiões de matrizes africanas.” O parlamentar diz que são usados bodes e galinhas, e nunca animais como cachorros e gatos. Ele também acrescentou que existem diferentes vertentes dentro do candomblé e da umbanda e que a imolação é adotada apenas por algumas delas.

Rituais “Religiosos” que usam animais.

“Nós buscamos o axé do animal, que é o sangue e os miúdos que nós oferecemos aos nossos orixás e guias.

Essa espiritualidade precisa da energia que vem do sangue e dos miúdos dos animais”, disse Laércio Benko. “O animal não pode sofrer qualquer tipo de sofrimento antes. Ele recebe alimentação adequada, tratamento com ervas. É cortada a veia do animal, como em qualquer tipo de abate”, defende Benko.

Laércio Benko, pré-candidato ao governo estadual, diz ser adepto e um “apaixonado” pela umbanda desde 2004. “Se o animal sofrer qualquer tipo de sofrimento, ele não pode participar da entrega (aos orixás)”, Laérco Benko, que antes era católico. “A pessoa, para defender o fim do uso dos animais em ritual religioso, ela tem de ser no mínimo vegetariana. Se não for é hipocrisia.”

Precisa dizer mais alguma coisa?

Fonte: Anda