ernani-poloErnani Polo é atualmente deputado estadual do Rio Grande do Sul e tem vários familiares espalhados em cargos políticos pelo mesmo estado (atente sempre para o sobrenome).

Foi presidente da Comissão de Agricultura, Pecuária e Cooperativismo (CAPC) da Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul) de 2011 a 2013,  onde publicou, entre outros trabalhos, a “Radiografia da Agropecuária Gaúcha”. O objetivo dessa iniciativa é proporcionar, além de um registro sobre o desenvolvimento da agropecuária do Rio Grande do Sul, que este material seja também uma fonte de pesquisa, já que possui dados técnicos e atualizados sobre as principais tendências do setor, a ser disponibilizado a escolas, universidades, sindicatos rurais, órgãos governamentais, instituições ligadas ao setor e demais entidades afins.

Polo é um defensor ferrenho de cavalgadas e rodeios, eventos em que é muito comum presenciar animais, principalmente equinos, sendo levados a exaustão, além de corriqueiros flagrantes de maus tratos a esses animais.

Em 2012, Ernani Polo protocolou o Projeto de Lei 312/2012, que “reconhece o direito de andar a cavalo, tomado individualmente ou em grupo, em qualquer atividade ou evento equestre, como bem de natureza imaterial que integra o patrimônio cultural rio-grandense e estabelece as diretrizes e bases de bem-estar animal para as atividades e eventos equestres e de apoio à equinocultura, e dá outras providências”.

Em justificativa a esse Projeto de Lei absolutamente retrógrado, Polo apresenta oficialmente um documento que esta disponível para consulta aqui, originado justamente de um dos eventos de maior exploração animal do Brasil, a tradicional cavalgada do mar, onde mais de 2.000 cavalos são obrigados a percorrer mais de 240 km carregando uma pessoa ou mais sobre os lombos!

Cenas de maus tratos aos animais são uma constante de cavalgadas.

Cenas de maus tratos aos animais são uma constante de cavalgadas.

A crescente indignação em relação aos maus tratos animais e a evolução moral para com os animais, principalmente a vertiginosa adesão aos princípios veganos, têm incomodado muito (principalmente pelo viés financeiro) tradicionais exploradores de animais e políticos que constantemente são acionados pelo Ministério público por conta das sombrias atividades em que estão envolvidos.

Vejam o trecho da justificativa de Ernani Polo para aprovação do PL 312/2012:

Boi explorado durante a 40ª Agroshow

Rodeios Brasil a fora continuam a vitimizar indefesos animais

“E como todos os grupos ativistas, essas ONGs fazem pressão junto às autoridades, especialmente o Ministério Público, a fim de proibirem esses eventos no Rio Grande do Sul e acabam ocupando espaço na mídia.”

“Os inúmeros eventos equestres, como rodeios e cavalgadas, que se realizam em todos os finais de semana, confirmam essa paixão entre o gaúcho e o cavalo. E o exemplo mais recente deu-se no ‘Acampamento Farroupilha’ em Porto Alegre, no Parque da Harmonia, quando foi proibido o acesso de cavalos em determinadas áreas do Parque. Houve uma verdadeira comoção e indignação popular com fortes protestos, inclusive através da Imprensa, como maculação às tradições do Rio Grande do Sul.”

“A filosofia do ‘veganismo’ é um corpo estranho na cultura do povo gaúcho. As cavalgadas e rodeios não são meros eventos de desporto e lazer no Rio Grande do Sul.”

“Assim, a defesa dessa Cavalgada é a defesa de todas as cavalgadas, rodeios e demais eventos equestres realizados durante todo o ano nos mais diversos pontos do Rio Grande do Sul e em última análise a defesa dos valores e tradições que são caras para nós gaúchos.”

Políticos como Ernani Polo não merecem ser eleitos.