Adroaldo Mendes de AlmeidaAdroaldo Mendes de Almeida, o Dinho, durante a votação pela proibição do foie gras –  fígado de ganso produzido a partir da alimentação forçada, que explora o animal da forma mais radical possível,  a alimentação que é geralmente milho embebido em manteiga para facilitar a ingestão, causa uma grande acumulação de gordura no fígado, responsável pela sua consistência amanteigada  –  usou sua palavra para rasgar elogios à empresa Agrivert empresa produtora do cruel e abominável produto. Os argumentos do político, no entanto, foram dignos de riso e geraram revolta entre os cerca de 40 ativistas da causa animal presentes. “Alguém aqui tem um pato de estimação em casa?” – bradou Dinho, como se apenas animais de estimação devessem ser considerados na discussão.

Os argumentos de Adroaldo Mendes de Almeida foram baseados na suposta idoneidade da Angrivert em relação à geração de emprego e à forma com que os trabalhadores são tratados. O sofrimento dos animais na produção do Foie Gras, que levou vários países a proibirem a prática, foi completamente ignorado pelo vereador. O discurso foi tão baixo que levou todos os ativistas a virarem as costas enquanto Dinho falava.